Rússia é banida das Olimpíadas e da Copa do Mundo por escândalo de doping

Atletas do país terão que competir sob bandeira neutra nos Jogos Olímpicos em 2020. Russos ainda têm 21 dias para recorrer da decisão

A Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) baniu a Rússia das Olimpíadas de Tóquio, em 2020, e das Olímpiadas de Inverno de Pequim e da Copa do Mundo, em 2022. A punição foi anunciada na manhã desta segunda-feira, 9, e é decorrente de acusações de falsificação de vários exames de doping nos últimos anos. O banimento ficará em vigor por quatro anos, mas o país ainda pode recorrer no Tribunal Arbitral do Esporte nos próximos 21 dias.

Além de estar proibida de participar dessas grandes competições, a Rússia também não poderá sediar megaeventos esportivos. Essa não é a primeira vez que os russos recebem esse tipo de punição. Em 2016, o Comitê Olímpico Internacional (COI) chegou a excluir o país das Olimpíadas do Rio, mas a decisão não foi executada. Apesar do banimento, São Petersburgo segue como uma das sede da Eurocopa em 2020.

Mesmo que a decisão acarrete uma punição severa, muitos atletas ainda veem a resolução da Wada como insuficiente. Isso acontece porque atletas russos que se submeterem a exames antidoping podem competir nas Olimpíadas, mas sob bandeira neutra. Ainda existe o temor que as falsificações e ocultações de resultados continuem acontecendo.

Apesar das provas apresentadas sobre a existência do esquema, as autoridades russas negam a existência de qualquer irregularidade. Os casos ganharam notoriedade quando o médico russo Grigory Rodchenkov expôs toda a malha de ocultação de exames e os procedimentos médicos usados para esconder as substâncias usadas pelos atletas. O escândalo virou tema do documentário “Icarus”, da Netflix, premiado no último Oscar com a estatueta de Melhor Documentário.

Fonte: O Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *