CASO DANIEL – PRESO SUSPEITO DE ASSASSINAR O JOGADOR

FOTO: INFORME BAIANO

FOTO: RPC

Nesta manhã de quinta-feira dia 01 de novembro em operação realizada pela polícia foi preso o suspeito do assassinato do jogador Daniel, o empresário Edson Brittes Jr de 38 anos, que admitiu o crime a polícia, tanto Edson como sua esposa Cris Brittes de 35 anos e filha Allana Brittes de 18 anos estão detidos para prestar esclarecimentos sobre o caso.

O advogado do suspeito relatou que se tratou de um crime passional.

“Em um dado momento, estavam todos confraternizando na churrasqueira e ouviu-se um pedido de socorro. O Edison foi até o quarto, arrombou a porta que estava trancada e flagrou Daniel sem calças, montado em cima da mulher dele, que estava dormindo há algumas horas. Ele flagrou aquela cena e passou a agredir o Daniel agressivamente, levado por forte emoção, e as coisas se levaram para o que a gente sabe”. Disse o advogado do suspeito Cláudio Delladone.

“Trata-se de um pai de família que se viu na contingência de ter que reagir a um estupro que estava ocorrendo conta a mulher dele. A mulher gritou por socorro. Ele arrombou a porta, e esse indivíduo estava em cima da mulher dele tentando estuprar essa mulher”, afirmou o advogado Cláudio Delladone.

“Um homem que não demonstra nenhuma periculosidade, mas que agiu impelido por um motivo de relevante valor moral, social e sob domínio de violenta emoção”, falou Dalledone sobre o empresário.

O suspeito prestou depoimento e está mantido sobre custódia e disse:

“Eu fiquei aterrorizado quando vi ele com a minha mulher”, disse o empresário

“Eu bati muito nele. Muito, muito. Tirei ele para fora da casa, não sei se estava acordado, desacordado, se só tinha fechado o olho” afirmou o suspeito.

“Eu não pensava em nada. Eu tinha uma faca no carro, uma faca pequena, que eu usava no carro, que fica junto com as ferramentas no porta malas. Eu não sabia que eu ia fazer aquilo, eu estava desesperado, fora de mim. Olhei no porta-malas e vi o que tinha”, relatou o suspeito, dizendo que perdeu o controle e os amigos não iam conseguir impedir ele.

Os 3 amigos de Edson ainda estão sendo procurado para prestar depoimento a polícia em relação aos fatos ocorridos.

O depoimento do suspeito contradiz em pontos com o relato da testemunha principal do caso que se apresentou a polícia e ajudou a achar os suspeitos do crime.

Tudo teira começado na boate onde estasva sendo comemorado o aniversário da filha de 18 anos do empresário Edson Brittes Jr. logo após a boate alguns convidados que lá estava incluindo o jogador Daniel foram chamados para dá continuidade as comemorações na casa do empresário.

“Ficamos lá bebendo mais, comemorando mais. O pai dela tinha chamado para fazer esse after lá. Passou um tempo o rapaz em questão sumiu do lugar. Saiu dali. Não sei por qual motivo o pai dela e o menino entraram na residência”, disse o rapaz.

“Passados uns dez minutos ouvi muita gritaria pedindo socorro para que acudisse, para que não acontecesse uma tragédia. Nisso eu fui pela janela pelo lado de fora e avistei o que estava acontecendo. O rapaz que veio a óbito estava sendo enforcado, apanhando muito muito. Nisso entraram mais dois rapazes e ajudaram a bater nele”, contou a testemunha sobre o que disse ter visto do grupo que agredia o atleta.

Segundo ele, Daniel estava de cuecas e camiseta na cama da mulher do agressor. “Depois entrou mais um no quarto, arrancaram ele do quarto já bem machucado, bem debilitado. Jogaram ele um pouquinho para fora da garagem e continuaram a espancar ele. Falaram palavras de baixo calão. E um deles disse: ‘Mexeu com mulher de bandido, vai morrer”, disse o jovem.

“Eu tentei acudir para impedir a tragédia, mas não tem o que fazer. No momento que eu tento separar, o rapaz em questão [o empresário] olha pra mim e fala: sai daqui seu cuzão. Você não me ajudou. Você vai ser o próximo”, falou o rapaz sobre o que alega ter escutado.

No dia seguinte após o crime relata a testemunha que “A partir daí começamos a receber ligações mensagens para que nos encontrar sim, pedindo para conversar”.

“Passaram uma história de que o rapaz tinha chegado na residência, ficado de canto, mexendo no celular e a porta estava aberta e ele simplesmente saiu e ninguém viu. Para onde foi. Mas não foi assim” disse a testemunha que procurou um advogado e resolveu se apresentar e prestou seu depoimento a polícia e ajudando assim achar os suspeitos desse crime.

Segundo o advogado da testemunha Jacob Filho, já foi feito o pedido de proteção a testemunha para o seu cliente.

A investigação do caso está bem avançada, tendo todos os fatos apurados, testemunhas e suspeitos ouvidas, em breve a polícia deve fechar o caso e levando todos os culpados a justiça. A equipe do Cariri Esportivo mais uma vez pede que Deus conforte os amigos e familiares da vítima, desejamos que a Justiça seja feita e os culpados paguem por seus crimes.

Mais informações sobre o caso iremos postar aqui caros leitores.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *